domingo, 25 de março de 2012

O LAGO TONLE SAP

"O CORAÇÃO FLUTUANTE DO CAMBOJA"


"On my journey up the river and across de lake I read.......
"THE TRAVELS IN INDOCHINE"  - of Henry Mouhot, a french naturalist, who was the first european to give a detailed description of the ruins of ANGKOR "-  (Somerset Maugham - The gentleman in the Parlour 1929)

Somerset Maugham foi o meu ídolo-escritor na fase da minha adolescencia,
li-o e  reli-o, ainda em África, onde nasci e onde sonhava com as rotas do mítico Oriente e com as viagens pelo mundo Asiático, genialmente descritas nas suas novelas e romances. Eu sabia que um dia iria viver aquele sonho e mergulhar naquelas aventuras... e esse dia chegou!

Ainda era cedo, mas o sol já escaldava e Siem Riep acordava....Meti-me a caminho só com o meu chauffeur "kmer", no seu pequeno tuk-tuk escrupulosamente limpo e arranjado. Á porta do meu hotel, á hora marcada, já ele me esperava com um enorme "bonjours Madame" e  esfregava e polía mais uma vez os latões dourados que resplandecíam e enfeitavam o veículo.....digno duma novela de Maugham!


Eu balançava no banco de trás ao ritmo do asfalto empedrado, na unica e estreita avenida  que liga a cidade ao lago TONLE SAP, para onde me dirigia. O som estridente da buzina cortava o silencio da paisagem rural, onde os bois avançavam numa caminhada lenta e pachorrenta à frente dos pastores que os conduziam ao trabalho.
A viagem, desengonçada mas divertida,  não afastava os meus pensamentos; sentia-me a "heroína" do meu escritor favorito e inspirador, que há já muitas décadas atrás havia percorrido aquela mesma rota, atravessando aquele mesmo lago que eu estava prestes a encontrar,  vindo pelo Rio Mekong para Siem Reap a fim de visitar e descobrir os belos Templos de ANGKOR.
Também eu havia havía visitado no dia anterior uma das maravilhas do Mundo - ANGKOR-WAT - e o cenário místico e a magnificência da arte "KMER" ,considerada patrimonio Mundial pela UNESCO, ainda me absorvía e envolvia naquela onda de sonho que me acompanhava na jornada.......

De onde a onde surgiam grandes mansões à beira da estrada, reminiscências da ocupação francesa, quando o país era ainda INDOCHINA (antes das guerras que devastaram o país, dizimaram populações inteiras e destruiram muito das origens e cultura do povo KMER ). De arquitectura euro-asiática era impressionante a sua imponência em contraste com os casebres humildes das gentes que habitam aquela  região.

Os campos estavam alagados das chuvas torrenciais que tinham caído nos ultimos meses, era o final da época das monções, mas a chuva teimava em não parar. Vi os bufalos de água mergulhados até ao pescoço, regalados nas "piscinas naturais" ; aproximei-me de mansinho e caminhei devagar.......

Naqueles olhos doces fixei o meu olhar...
era corpulento e negro,
mas não me meteu medo.
Apontei a minh camara
às orelhas enormes e abertas
áqueles chifres duros e curvos
e ele ali ficou, estático, álerta!
Seria o meu modelo certo,
naquele canto do mundo  deserto?

Ali fiquei a pasmar,
Até o meu guia me chamar.......


Saímos da estrada e enfiámos por um estreito trilho de terra batida e encharcada, cercado pela floresta.
Os solavancos  fazíam-me pular no assento e bater com a cabeça no tecto, algumas crianças corriam assustadas e atravessavam-se à nossa frente, ouviam-se latidos dos cães e os gritos da bicharada, os macacos pulavam nas arvores, contentes pela nossa passagem.......


Chegámos à beira do lago, onde os barqueiros nos esperavam impacientes. Embora seja este um destino turistico  obrigatório, não vi ninguém de perfil ocidental. Iniciámos a travessia. Alguns pescadores deslizávam em silêncio com as suas delicadas canoas, apoiados numa vara comprida que usavam para avançar como remos, apenas uma vegetação cobria o lago, como um tapete verde de plantas aquáticas que flutuava.

                O LAGO TONLE SAP NÃO É APENAS UM LAGO, MAS UM MODO DE VIDA! 

Mais de um milhão de cambojanos dependem dos recursos naturais deste  lago, na época das chuvas o lago estende-se a todo o país e liga-se ao mítico RIO MEKONG proveniente do Tibete, tornando-se no maior lago de água doce do Sudeste Asiático, alastrando as suas  águas calmas por 12.000km2.

O LAGO TONLE SAP faz parte  da  famosa e rica Reserva da Biosfera, sendo considerado um SANTUÁRIO, onde habitam mais de 100 espécies de pássaros e peixes, crocodilos, tartarugas, macacos que se espalham pela longa e inundada floresta de "mangrove" .

Vivendo em harmonia com o ecosistema, as gentes que habitam as aldeias flutuantes vivem em casas da madeira, construídas em palafitas, mantendo uma economia e um modo de vida interligada com a ecologia do lago, a vida selvagem e o ciclo de subida e  descida das águas.
O lago situado a apenas 15kms  ao sul de Siem Reap é  ligado à capital, Phnom Penh,  por barco diário.


Avisto a primeira casa, uma enorme estrutura de madeira em linhas orientais, sede  do governo local,  possivelmente, onde sobressaem os telhados vermelhos de bicos revirados contrastando com o azul intenso do céu e do lago. Uma árvore gigante semi-submersa, escondendo a primeira casa, deixa apenas de fora a copa  frondosa, como o guardião atento da aldeia flutuante que se avizinha.




7 comentários:

  1. Fotografar é mesmo uma arte! Parabéns pela bela postagem!

    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Such wonderful photos of a magic land, KP

    ResponderEliminar
  3. Olá amiga. Não sei se consegui enviar comentário nessa postagem. Acusou erro e por isso estou digitando novamente. Essa viagem deve ter sido maravilhosa e suas fotos são perfeitas. Beijos.

    ResponderEliminar
  4. Nesta Primavera venho deixar um beijinho e poesia



    PRIMAVERA


    Amor...
    Florir...
    Sorrir...
    E...


    Na Primavera...
    As flores...
    Florescem...
    Sorriem...
    E...


    Cativam o Amor...
    E nós...
    Deixamo-nos
    Embalar...


    E continuamos...
    A Amar!...


    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  5. Excelente reportagem, na forma e no conteúdo, resultando de dom, talento e experiência. Parabéns, Helena.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OBRIGADA CAIO, a sua visita é sempre muito bemvinda!

      Eliminar
  6. Olá, Helena!

    Não tinha dado conta que estava de volta, após tão longa ausência. E é um prazer lê-la de novo: nestas incursões por um mundo que visto daqui tem traços de exótico e também de encanto - como se regressássemos atrás no tempo, já que o tempo por essas paragens andou mais lento.De Somerset Maugham, apenas li o Fio da Navalha - e do que li, já não me lembro.Mas imagino que será muito bem ter realizado esse sonho, ter oportunidade de conhecer esse mundo.E obrigado por esta bela reportagem, nos servir de guia; foi um prazer ler.

    Um abraço; bom domingo de ramos.

    Vitor

    ResponderEliminar